Postagem em destaque

Muito Além... de Um Conto [Neblina da Noite - Luís Fernando Pinheiro]

O que parecia ser uma simples noite de trabalho, torna-se um pesadelo para um maquinista, que após partir com destino a última estação, e...

Translate

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Muito Além... Do Admirável Mundo Novo - Aldous Huxley

Em um Estado Mundial baseado nos princípios das linhas de montagem de Henry Ford - produção em massa, homogeneidade, previsibilidade e do consumo de bens descartáveis - conhecemos as peculiaridades de Admirável Mundo Novo, obra do autor britânico Aldous Huxley. Venha conhecer um pouco desse universo, suas inspirações e adaptações, aqui, no Muito Além das Aspas.




Admirável Mundo Novo é um livro escrito em 1931 por Aldous Huxley e publicado em 1932. A sociedade desse "futuro" criado por Huxley não possui a ética religiosa e valores morais que regem a sociedade atual. Qualquer dúvida e insegurança dos cidadãos era dissipada com o consumo da droga sem efeitos colaterais aparentes chamada "soma". As crianças têm educação sexual desde os mais tenros anos da vida. O conceito de família também não existe.


Titulo: Admirável Mundo Novo (Brave New World titulo original).
Autor: Aldous Huxley.
Edição: 22º - 2014.
Editora: Globo.
ISBN-13: 9788525056009.
Sinopse: Admirável Mundo Novo - Uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance distópico de Aldous Huxley, que ao lado de 1984, de George Orwell, constituem os exemplos mais marcantes, na esfera literária, da tematização de estados autoritários. Se o livro de Orwell criticava acidamente os governos totalitários de esquerda e de direita, o terror do stalinismo e a barbárie do nazifascismo, em Huxley o objeto é a sociedade capitalista, industrial e tecnológica, em que a racionalidade se tornou a nova religião, em que a ciência é o novo ídolo, um mundo no qual a experiência do sujeito não parece mais fazer nenhum sentido, e no qual a obra de Shakespeare adquire tons revolucionários. Entretanto, o moderno clássico de Huxley não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se, o que é mais grave, de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos. Como um alerta de que, ao não se preservarem os valores da civilização humanista, o que nos aguarda não é o róseo paraíso iluminista da liberdade, mas os grilhões de um admirável mundo novo.

E para mim, como foi ler Admirável Mundo Novo?


Li este livro graças a uma proposta de leitura em grupo (Que acabou não dando muito certo, pois a maioria não conseguiu reservar tempo para encaixa-lo entre as suas obrigações do dia a dia, faculdade, outros livros, etc.) com a finalidade de conhecer um pouco mais desse universo literário: a ficção científica.

Com um começo um pouco lento, a leitura se torna fluida após a apresentação dos personagens principais.

Admirável Mundo Novo é uma apresentação de como mundo está em 632 DF (depois de Ford, mais ou menos 2540 d.C.) onde os seres humanos são gerados através de processos controlados. Neste tempo, o conceito de família é algo meramente histórico, onde pai, mãe e casamento são coisas ultrapassadas e constituem crime. A sociedade é dividida em castas, onde os alfa são preparados para cargos de liderança enquanto os Ípsilons são a base da pirâmide, ou seja, a "peãozada". A religião é extinta e a cultura, preparada para os propósitos da manutenção da sociedade neste formato.

Não vou dar um resumo do enredo, pois não acho justo eu dar tudo de bandeja para vocês kkkkk. Porém, com este post, quero dar destaque aos pontos que mais me marcaram.

Esse formato de sociedade me chocou, pois não existe um livre arbítrio para essas pessoas. Os indivíduos são, na prática e literalmente, moldados para que se encaixem na sociedade, onde desde a formação do zigoto é traçado o seu destino. Fica explícito o interesse industrial neste formato de utopia, pois sendo condicionado a tal posição, não existe um desejo do indivíduo de não o realizar ou de querer crescer, ele foi condicionado de uma forma que essas atitudes o tornariam infeliz e mal visto pelos seus companheiros. Isso para mim foi assustador.

Após a apresentação do Centro de Incubação e Condicionamento de Londres, conhecemos Bernard, um alfa que possui uma característica singular, tem um desejo de solidão, algo considerado anormal. Movido pela curiosidade, ele pede uma autorização para conhecer a Reserva, um dos poucos lugares no mundo onde ainda era praticado os hábitos antigos da humanidade (família, casamento, religião, superstições).

A partir daí, conhecemos John, selvagem vindo das reservas de Malpaís. John ficava encantado com os relatos de Linda, sua mãe, sobre os costumes da civilização moderna, de onde ela veio. 

Linda é uma beta menos que se vê presa na reserva após se perder de seu grupo de excursão, sendo obrigada a permanecer na reserva. Mas isso não era o pior para ela, pois ela estava grávida, algo obsceno para os padrões atuais. Sem ter como sair dessa situação, Linda entra em depressão por não ter sido resgatada e, por conta de seus hábitos promíscuos, tidos por ela natural, não ser aceita pelos habitantes da reserva.

Seduzido pelos relatos de Bernard sobre Londres e seus costumes, John decide dar a felicidade a sua mãe de voltar para sua terra de origem e, ao mesmo tempo, saciar sua curiosidade sobre os costumes e as beleza da sociedade civilizada.

O choque entre os costumes do Selvagem com a cultura da civilização moderna é o que mais me agradou. A personalidade de John perante as diferenças de hábitos e vice versa é a cereja do bolo em Admirável Mundo Novo.

Sem mais, antes que eu acabe me empolgando e soltando algum spoiler, Admirável Mundo Novo é uma ótima pedida para quem curte visões futurísticas e sociedades utópicas e suas particularidades.

Minha conclusão sobre o livro me fez pensar: a que preço está a sociedade ideal? A liberdade de expressão, os sentimentos e as experiências que temos que passar para amadurecer como indivíduos são menos importantes que a felicidade conjunta? Mas o que é ser feliz? Acredito que um livro bom, eu o julgo como ótimo, é aquele que nos coloca contra a parede, buscando a nossa verdade, criando e renovando conceitos.

Notícias e Curiosidades!

 

Steven Spielberg adaptará o clássico literário Admirável Mundo Novo
fonte: adoro cinema


Steven Spielberg vai adaptar um dos maiores clássicos literários do século XX para o SyFy. Segundo o The Hollywood Reporter, o cineasta se reunirá com a equipe de produção de Taken para levar à TV o aclamado livro de Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo – obra ranqueada como a quinta maior do século passado. Brave New World terá a premissa básica do livro.

Contente em adaptar um material tão influente e instigante, extremamente reflexivo, o presidente do SyFy, Dave Howe, falou: "Sua visão provocativa de um futuro tortuoso se mantém poderosa e atemporal como nunca. Prometendo ser um evento televisivo monumental, Brave New World se encaixa cirurgicamente na programação inovadora que tem se tornado marca registrada do Syfy."

De fato, Brave New World junta-se a uma longa lista de séries veteranas de sucesso e estreias promissoras da emissora vinculada à NBC/Universal. Que corresponda às expectativas e faça jus ao alto padrão de sua obra original.

publicado em 05/05/2015 

Na Música
 
Iron Maiden - Brave New World(2000) 
Fonte: Wikipédia

A música "Brave New World", faixa 03 do álbum de mesmo nome, é baseada neste livro.

Mas vou logo avisando, se você irá ler futuramente, ouça a música/veja a tradução depois...

Link para Musica com a Tradução



Pitty - Admirável Chip Novo(2003)
fonte: fan page Invasão Pitty e Wikipédia

Faixa dois do Álbum de mesmo nome, Pitty nos leva a reflexão: somos quem realmente pensamos ser? Ou somos fruto do que querem que sejamos?


A música expressa tal situação em primeira pessoa, soando como uma canção de protesto. Mostra que numa existência onde luta-se para adquirir algum sentido, o que entra em pane justamente o que é imposto por "eles". Também mostra que o jovem tem o sentimento de estar fora de si e de ser comandado por forças externas, conforme seu desejo ou controle. Esse sistema programa corações e mentes, cujo funcionamento "não é vivo e nem orgânico".



O videoclipe da canção mostra Pitty e sua banda, no começo, atuando como robôs. Quando começa o refrão, eles já se movimentam normalmente. Essa música ficou no Top 10 de várias rádios brasileiras.



Zé Ramalho - Admirável Gado Novo
Fonte: Wikipédia

"Admirável Gado Novo" faz parte de seu segundo álbum solo Zé Ramalho. A canção cita algumas ideias contidas nos livros Admirável Mundo Novo,  e 1984, de George Orwell. Em 1996, a música fez parte da trilha sonora da novela O Rei do Gado, como tema do núcleo dos Sem-Terra.

Em 1997, esta música foi regravada pela cantora Cássia Eller, e está presente no álbum Música Urbana.



 E é isso ai! Se você gostou, não deixe de curtir e comaprtilhar com seus amigos!!! Comentem a vontade também, até a próxima pessoal!

Fontes: https://www.skoob.com.br/admiravel-mundo-novo-996ed422871.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Admir%C3%A1vel_Mundo_Novo
http://pt.wikipedia.org/wiki/Brave_New_World_%28%C3%A1lbum_de_Iron_Maiden%29
http://www.adorocinema.com/noticias/series/noticia-113139/
Fontes das Imagens: fruto de pesquisas no Google. Todos os direitos reservados aos seus autores.

5 comentários:

  1. Deixou com vontade de ler. Muito bom blog. vlw

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Farinha, primeiramente obrigado pela visita!

      Realmente este livro, mesmo tendo quase 100 anos, ainda consegue abordar temas muito atuais, como a busca pela perfeição, a discriminação das diferenças socioculturais... Enfim, faz sentido sua colocação entre as melhores obras do século XX

      Eu, Luís e a equipe do Muito além das Aspas recomenda demais esta obra

      Abraços

      Excluir
  2. Na descrição da obra e dos seus aspetos essenciais concordo com o que expôs, no que se refere às conclusões, peno que Huxley não reflete sobre o preço da sociedade ideal, mas sim dos riscos sobre os ideais da sociedade atual: o consumismo como sustentáculo da economia, a fuga da realidade pela droga (embora ele fosse adepto de drogas).
    Numa sociedade igualitária o liberalismo sexual quebra as obrigações familiares que criam barreiras à equidade nas relações interpessoais e neste campo a cultura que leva as pessoas a questionar as regras e por isso são perigosas.
    Malpaís no livro é nos EUA (penso que arizona) e aliás não poderia ser na Costa Rica pois as características da paisagem são desérticas, mesa (não sei se o termo está na tradução brasileira), é uma estrutura geológica que é comum nos canyons norteamericanos.
    Sobre esta distopia Margaret Atwood tem um livro e uma sequela muito interessante, escrita já este século e com base na evolução técnica atual, em Portugal foi traduzido como Oryx e Crake e o segundo O Ano do Dilúvio, recomendo pois verá nestes dois livros muita coisa deste princípios da sociedade ideal cruzada com os vícios da modernidade capitalista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos comentários, observações e recomendações!!! É sempre um prazer aumentar ainda mais o conteúdo absorvido de um livro através de debates e pontos de vista diferentes...

      Excluir
    2. Obrigado pelos comentários, observações e recomendações!!! É sempre um prazer aumentar ainda mais o conteúdo absorvido de um livro através de debates e pontos de vista diferentes...

      Excluir